Você está aqui

O idoso que viaja e o risco de tromboembolismo venoso

O idoso e a prevenção em viagens longas

As pessoas idosas têm viajado cada vez mais e muitas são viagens de longa distancia o que aumenta a preocupação com o risco de tromboembolismo venoso. Felizmente estudos mostram que algumas medidas podem prevenir essa perigosa situação.

Por que as viagens podem aumentar a chance de tromboembolismo venoso?

A imobilidade provoca estase venosa (fluxo lento) que pode levar a formação de coágulos nas veias profundas das pernas. Quando esses coágulos se formam e não se dissolvem ocorre a trombose venosa profunda. Se o coagulo se desprender e migrar para circulação pulmonar ocorre a chamada embolia pulmonar. Esse mecanismo denomina-se tromboembolismo venoso.

Todas as pessoas que viajam podem desenvolver tromboembolismo venoso?

Não. A chance de desenvolver o problema depende do número de fatores de risco que cada um apresenta. Quanto maior o número de fatores pré-existentes maior o risco.

Pesquisas mostram que 75% - 99,5 % dos casos ocorrem em quem tem mais de um fator de risco.

Quais são os fatores de risco para o tromboembolismo venoso?

  • Idade avançada (aumenta após os 40 anos)
  • Dificuldade de locomoção (exemplo osteoartrite de joelhos)
  • Insuficiência venosa periférica (varizes)
  • Tromboembolismo venoso prévio
  • Obesidade (IMC > 30 kg / m2)
  • Doença oncológica ativa ou tratamento recente de câncer
  • Doenças crônicas como a insuficiência cardíaca, doença inflamatória intestinal e doença renal.
  • Cirurgias recentes e hospitalização
  • Trauma e imobilização ortopédica
  • Terapia de reposição hormonal ou uso de anovulatórios (pílula anticoncepcional)
  • História familiar de trombose ou embolia pulmonar
  • Tabagismo
  • Uso de tamoxifeno ou raloxifeno
  • Gravidez e período pós-parto
  • Distúrbios de hipercoagulabilidade
  • Uso de cateter venoso central.

Por que preocupar-se com o idoso que viaja?

O envelhecimento por si só é um fator de risco e quanto mais avançada a idade, maior a probabilidade. É frequente o idoso ter outros fatores de risco que se potencializam e aumentam a chance de um evento. Não é difícil imaginar uma pessoa idosa (> 60 a) com varizes, dificuldade de locomoção por doenças ortopédicas do joelho e/ou do quadril e portadora de uma doença oncogeriatrica.

A duração da viagem interfere na chance de eventos?

Quanto mais longa a viagem pior. Aquelas com duração superior a 4 horas tanto em avião, carro, ônibus ou trem são as mais preocupantes.

Quanto tempo depois da viagem pode surgir os sintomas?

Logo após o desembarque e até 4 a 8 semanas depois.

Por que se fala mais dessa situação nas viagens de avião?

Porque maior parte das pesquisas é feitas com indivíduos que utilizaram esse tipo de transporte. Viagens longas em transporte terrestre podem ser igualmente deletérias.

 O tamanho e o espaço entre os assentos faz diferença?

 Assentos altos não reguláveis e espaços pequenos entre a fileiras das aeronaves são fatores que podem contribuir para a formação do coágulo. Nas pessoas com menos de 1,60 m a parte anterior do assento pode comprimir a região poplítea (a parte posterior do joelho) dificultando o retorno venoso. Nos indivíduos com mais de 1,90 o pouco espaço entre os assentos dificulta a movimentação das pernas durante a viagem.

Quais os sintomas da trombose venosa e da embolia pulmonar?

Reconhecer os sintomas é muito importante, pois o inicio precoce do tratamento faz muita diferença.

Sintomas e sinais de trombose venosa

  • Aumento da temperatura na perna
  • Inchaço e rigidez na panturrilha (batata da perna)
  • Dor na panturrilha

Sintomas da embolia pulmonar

  • Falta de ar súbita
  • Dor no tórax de inicio súbito a inspiração
  • Desconforto ao respirar
  • Ansiedade e inquietação
  • Tosse com sangue
  • Dor e inchaço nas pernas (trombose prévia)

Infelizmente em 50% dos casos a trombose é assintomática e os sintomas de embolia inespecíficos. Ao suspeitar não negligencie e procure uma avaliação precoce.
 

Quais as medidas preventivas para viajantes de longas distâncias?

Especialmente os idosos devem consultar seu médico sobre a necessidade de meias elásticas e anticoagulantes.

Outras medidas preventivas são:

  •  Locomover-se durante o voo
  • Fazer exercícios musculares contraindo e relaxando a musculatura da panturrilha.
  • Tomar muito líquido para se hidratar evitar bebidas alcoólicas.
  • Preferir assento no corredor para não se inibir em levantar e caminhar.
  • Viajar com roupas confortáveis.
  • Evite usar indutores de sono para dormir durante o trajeto do voo.

Autor:

Dr. Marcos Galan Morillo -  CRM: 58571

Fontes:

  1. Amato, MCM, Manual do Médico Generalista na Era do Conhecimento
  2. Chandra D et al. Meta-analysis:travel and risk for venous thromboembolism. Ann Intern Med 2009.
  3. Gavish I, Brenner B. Air travel and the risk of thromboembolism. Intern Emerg Med 2011.

 

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer